domingo, 13 de novembro de 2011

Valha-nos Nossa Senhora Medianeira*



Muita gente pode achar graça do que vou contar. Se achar, paciência.

Sou devota de Nossa Senhora da Medianeira.

Há cinco anos, sempre vou à Romaria - ou a trabalho, ou como romeira. Mas vou.
E olha que nem sou católica.

Essa relação com Nossa Senhora começou quando eu tava tentando me recuperar de um furacão que passou na minha vida, destruindo quase tudo. Vou contar essa historinha primeiro.

No final de 2002, num período de uns quatro meses, perdi emprego, casa, namorado, uma das melhores amigas, uma montanha de dinheiro e até o bichinho de estimação tive de dar.

Voltei para Santa Maria, em 2003, com uma mão na frente e a outra atrás. Deixei os móveis que não vendi na casa de um amigo e fui morar na casa da minha mãe. Dormia no quarto do meu sobrinho e guardava as roupas dentro de uma calçadeira velha da minha tia. Um amigo muito querido, o Cristian, conseguiu que eu trabalhasse no caixa de uma boate uma vez por semana, pra eu ter uns trocados e não ter de pedir o dinheiro do cigarro pra mãe. Uma merda.

Três meses depois, consegui frila no jornal. Trabalhei por um ano e meio só pra pagar as dívidas que tinha - e as dívidas que a amiga que "perdi" havia feito em meu nome (nunca emprestem cheques, amiguinhos).

Foi então que, em novembro de 2004, já contratada pelo jornal, com todas as contas pagas e com o nome sujo por conta de apenas um cheque de R$ 30 - em mãos de uma firma falida - me vi na cobertura da Romaria Estadual da Medianeira.

Começamos a trabalhar às 7h. Minha missão era fazer entrevistas no Parque da Medianeira. Desde cedo, estava muito calor. Mas não achei o trabalho aborrecido, porque a cada entrevista eu conhecia uma história mais bonita de fé. O "milagrezinho" de cada dia, a grande graça e, sobretudo, muita esperança.

Sei que, em dado momento, eu estava no altar monumento e a imagem de Nossa Senhora estava chegando. O sol ardia, não havia sombra, e eu resolvi me agachar num cantinho (até pra evitar aparecer toda suada nas imagens de TV). Quando eu vi, colocaram a imagem da santa no meu lado.

Quando me dei por conta, notei que, sem querer, estava ajoelhada aos pés de Nossa Senhora. Olhei para a imagem e senti um cansaço tremendo. E chorei.

Fazia tempo que eu não rezava, e achava que não estava ali pra isso, mas aproveitei pra mentalizar: "A Senhora sabe do que eu preciso. Me ajude, por favor".

Sequei as lágrimas, levantei e segui meu trabalho.

E agora vem o meu milagrezinho.

Meu "encontro" com Nossa Senhora foi no dia 14 de novembro. No dia 3 de dezembro eu estava com o nome limpo, me mudando para um apartamento alugado no meu nome. Falei que meu nome estava LIMPO?

O cheque desaparecido há um ano e meio surgiu do NADA.

Vai soar clichê, mas me convenci de que não há advogada melhor do que Nossa Senhora.

E, desde então, anualmente, no segundo domingo de novembro, faço aquele trajeto a pé, com milhares de romeiros, como prova de gratidão e de humildade.

E, mesmo se um dia eu não morar mais em Santa Maria, vou me esforçar para vir aqui, orar para os meus, e, de novo, erguer os olhos para Ela e dizer: "A Senhora sabe do que eu preciso. Por favor, me ajude."
*Post publicado em novembro de 2009 no blog www.pyleque.blogspot.com

domingo, 6 de novembro de 2011

É isso

Meu computador estragou.
Minha máquina de lavar também.
Minha irmã segue dodói no hospital.

Mas não foi por isso que não postei nas últimas semanas. Não escrevi nada porque ando sofrendo daquelas leseiras da vida, que deixam a gente meio morta-viva, se arrastando, se perguntando o motivo de certas coisas.

Enfim, ando meio deprê. Até minha casa sofreu.
Teve um dia que eu pensei: "Preciso passar um paninho nesse chão... Ai, mas isso cansa. Cansa, não, dói". E, de repente, minha casa tão amada estava uma zona.

Acabou que dei um sacode em mim mesma um dia e fiz um dia de limpeza a jato. Na verdade, foi um basicão, mas tornou o ambiente mais agradável. Depois, criei um calendário de pequenas limpezas diárias (baseado no FlyLadies, vocês conhecem?) só para me distrair.

Inclui no calendário cuidados comigo. Dia de lixar as unhas (as minhas estavam um lixo, bem pior do que a casa), dia de exfoliar o rosto. Todos os dias são dias de tirar a maquiagem e passar creme nos pés. tenho lido bastante e assistido a filmes. Distração nesta fase é fundamental, acho.

Bem, gurias. Esse post está longo e meio melancólico, mas o fato é que estou tentando voltar à minha rotina normal. Meio a 10 km/h, mas voltando. De novo.

Beijos

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Eu tinha vontade de comer foie gras...

Não tenho mais.
Vi no Pitadinha esse vídeo, sobre as condições cruéis de criação e abate de patos e gansos para a obtenção de fígado gordo. Não dá para compactuar com isso só pra comer patê.


Mangez Buvez Gavez / It's not Food! from David Myriam on Vimeo.

domingo, 23 de outubro de 2011

Das decepções culinárias

Pois que ontem eu acordei me sentindo uma chef. 
E assim, resolvi preparar um prato francês, meus amores - Frango au Cordon Bleu.
O que esse projeto fez por mim? Me colocou de volta no meu lugar. Vou ter de cozinhar muito arroz com feijão pra fazer essa receita direitinho.

Mas eu sou brasileira, não desisto nunca!
A receita, que peguei do blog Brincando na Cozinha, é essa:

Para duas pessoas:
- 1 peito de frango grande desossado
- Sal e pimenta para temperar
- Mostarda dijon
- 2 fatias de presunto
- Queijo brie, cortado em fatias (usei muçarela mesmo)
- Manjericão (não usei)
- 3 fatias de pão de forma batido no processador (usei um pão francês)
- 2 colheres de amêndoas em lâminas (devem ser adicionadas ao pão e ligeiramente batidas)
- 2ovos
- Farinha de trigo para empanar.
- Óleo para fritar

Modo de fazer:
- Corte os frangos em filé grossos e depois corte ao meio, quase separando. Dica: não deixe muito grossos, pois tive que colocar uns minutinhos no formo após fritar...
- Em seguida, tempere com a mostarda dijon, sal e pimenta a gosto
- Recheie os filés com 1 fatia de presunto, duas fatias do queijo e folhinhas de manjericão. eu fechei com palitinhos (se houver necessidade) devem ser retirados após a fritura
- Passe os filés recheados na farinha, em seguida nos ovos batidos com uma pitada de sal e no farelo da casca de pão com amêndoas
- Frite em uma cama de óleo em fogo bem baixo até dourar, vire do outro lado e repita o processo
- Escorra em papel toalha e sirva em seguida
 
Se der certo, fica assim:
 
 
Ou assim:


O meu ficou parecido com isso. Porém:

1) Não coloquei duas fatias de muçarela, coloquei uma. E a muçarela não fica uma baba de queijo, como o brie. Fica um chiclete. Então, esse efeito maravilhoso vai ficar para a próxima
2) A receita dizia para colocar duas colheres de amêndoas em lâminas. Eu coloquei inteiras. O sabor ficou muito intenso
3) Eu deixei o frango numa marinada com temperos. Com queijo, presunto, amêndoas, farinha, pão, ovo etc, eu achei que o sabor ficou bem confuso
4) Com medo que o frango ficasse cru, fritei um pouco demais e o frango ficou seco
 
Ou seja: valeu a tentativa, mas ficou ruim.
 
Pelo menos acertei na sobremesa. Um pudim, simples e verdadeiro.
Imagina se eu fizesse petit gateu? Mas está nas minhas contas...



sábado, 22 de outubro de 2011

Idéias para festas de fim de ano

Olha que ideia boa para quem vai fazer festas noturnas ao ar livre - ainda mais que estamos no fim de ano. Sua garrafa usada pode se transformar numa tocha. 
Basta inserir um pavio no centro da rolha, colocar querosene num recipiente e prender num suporte (à venda nas ferragens).


Passo-a-passo aqui.


Quem deu a dica foi meu amigo Dulcymar, no Facebook. :)

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Comida de gordo dodói

Esses dias, tive uma espécie de intoxicação alimentar (ô, coisa boa!).
Não podia comer nada que não parava no estômago (sem falar no resto... hihihi).


As refeições desses dias incluiram água, bolacha água e sal (pouco, porque podia ser perigoso) e gelatina. Como comprei gelatina aos montes, no fim, decidi me arriscar a fazer uma mousse de morango pela primeira vez.


A receita é bocó, como diz a Gláucia, do Quitandoca. Mas como era a primeira vez, fiz até fotos.
Na verdade, fiz as fotos tarde, já tava praticamente tudo pronto para ir à geladeira quando lembrei de fotografar. Pra piorar, as fotos ficaram péssimas. 


Sou muito amadora, mesmo. Cês perdoam?
Mas, taí: agora sei fazer três doces: pudim, mousse de maracujá e mousse de morango - comidinha pra gordo dodói.


Os ingredientes:

(que lixo de foto, jizuis!)

- 1 lata de leite condensado
- 1 lata de creme de leite
- 300 gramas de morangos (bem lavados e picados - sem cabinho, por favor)
- Suco de 1/2 limão
- Gelatina de morango

(foco, cadê?)
O preparo
- Faça a gelatina conforme as instruções da embalagem


(Oi, Philips/Walita! Me patrocina?)

- Jogue o creme de leite, o leite condensado, os morangos e o suco de limão no liquidificador e bata até ficar um creme homogêneo. Junte a gelatina e bata para misturar. Coloque em um recipiente grande ou em forminhas e leve à geladeira por umas 2 horas.



A foto não ficou boa, mas o doce sim. Minha irmã (que está dodói de verdade) e minha mãe aprovaram.
Ponto para as meninas! :)

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O fim da novela do gato

Eu recebi tantas manifestações de preocupação e conselhos sobre a pendenga condomínio X gatinho que resolvi vir aqui contar como encaminhei as coisas.


Contratei uma firma para instalar redes na sacada e na área de serviço (apesar de estar quebrada). Valeu a pena. Eu posso abrir as janelas por onde mais entra vento e luz na casa, o Aush tem um espacinho para sair e tomar sol, e a vizinhança - espero - compreende a minha boa intenção.





De vez em quando, o Aush foge. Já foram três vezes, mas não pude evitar. Porém, até aqui, ninguém reclamou.


Para mim, seria muito difícil abrir mão de um animalzinho com quem convivo há quatro anos por causa de uma cláusula de condomínio. Então, estou me esforçando, brincando mais com o gatinho e mimando o bicho para tentar mantê-lo satisfeito. 



Sou fofo?


Há um plano B engatilhado, claro: devolvê-lo à antiga dona, que já prontificou a acolhê-lo mesmo tendo sete gatos... Mas, espero, não seja necessário.


Dedos cruzados!

domingo, 16 de outubro de 2011

Objetos de desejo que não desejo mais (3)


Máquina de sucos.
Uma invenção fantástica para fazer você ficar megasaudável, misturar beterraba com couve e laranja - e depois enlouquecer para lavar as 55 peças.
Nessa eu não caí.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Ai, minha orquídea! Socorro!

Era tudo o que eu precisava: uma professora pra lidar com orquídeas. A minha, coitadinha, perdeu duas folhas nas últimas semanas - e eu já tava preparando o funeral. Cês sabem, né? Eu sou boazinha, mas assassina. De plantas. Anyway. A querida da Carol Costa, do blog Guindaste, chega com dicas úteis e salvadoras (obrigada, Decoueração). Então, gente amiga-e-amante-de-orquídeas e só chegar no link do You Tube, se increver e ganhar várias e valiosas aulas. Como é que eu não conheci essa mulher antes? P.S.: Gente, eu reenvasava as plantas do jeito errado. Só podiam morrer, mesmo.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Sobre crianças e bichos

Todo o estresse dos meus vizinhos com bichos vem em função das crianças. Entendo. Mesmo. 
A maioria são jovens casais, no primeiro filho, superpreocupados com a saúde dos rebentos e tal. Mas, sei lá... Até que ponto o seu temor não afeta o seu pimpolho de maneira ruim?


Eu fui e minha irmã crescemos com bichos e eu, muitas vezes, dividia a cama com eles (não que minha mãe gostasse). Tô aqui, saudável, taludinha (bem mais taludinha do que a balança permite), formada e ainda apaixonada por pets. E isso que, naquela época, desverminação e vacinas só rolavam em caso de surto de alguma doença. Quem tem mais de 30, talvez, se identifique com essa história...


Acho que germes e bactérias são inimigos que os humanos enfrentam na boa se acostumados desde cedo, se mantidos com boa saúde, bem alimentados e cuidados - o caso da criançada daqui do condomínio, no meu entendimento.
Posso estar errada, exagerando pro meu lado... Mas foi o que pensei, dias atrás, vendo esse vídeo:



Feliz Dia das Crianças

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Dia de Ação de Graças

Estamos na época de Halloween, um feriado americano bem divertido, mas se tem uma data gringa de que gosto é o Dia de Ação de Graças. Aliás, pouca gente sabe que a data é oficial no Brasil desde 1949. O presidente Gaspar Dutra instituiu o Dia Nacional de Ação de Graças. A celebração é na quarta quinta-feira de novembro.

E, sinceramente, neste ano, estou bem inclinada a comemorar a data. Tenho muito a agradecer, sem dúvida. Mas também porque a data une outras coisas que amo: família, decoração e comida.

Nos states, o pessoal já está se preparando para celebrar a data, pensando em decoração e talz. Eu já estou me inspirando.



Via: MS

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Animais no condomínio

No mês passado, eu chamei o serralheiro maldito (o mesmo que havia feito a pantográfica e a grade da área de serviço) para fazer as grades das janelas, e desembolsei mais R$ 450 para fazer as grades das janelas. Achei que seria o preço final pela minha tranquilidade. Não era.

No último sábado, nosso condomínio aprovou uma convenção que não é nada amigável com animais. Você até pode ter bichos, mas eles não podem pisar em nenhum lugar que humano pise. Nem na pista de rolagem de carros. Tenho um siamês de quatro anos que, desde que me mudei, está acostumado a andar livremente pelo pátio e pela rua. Isso porque, pela primeira vez, moraria sozinho comigo e eu fiquei com pena de deixá-lo preso. 

Logo que nos mudamos, ele sumiu 5 dias. Ele caça passarinhos, ratinhos, grilos. Enfim, é livre. Agora, está preso e solitário. Mia desesperadamente. Quando sai de casa, ficou me olhando da janela da sacada. Meu coração está partido. 
Duas soluções:

1) Dar o gato (ai, que dor!)
2) Colocar redes de proteção, como as de criança para impedir que fuja (ai, que dor!)

Tendo a por a rede, pelo menos na sacada. Mas, sei lá. Ele vai sofrer igual...
O que vocês acham que devo fazer?


UPDATE: Chamei um rapaz para fazer orçamento de redes. Ele vai amanhã...

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Cortando cebola sem chorar

Dentro do mesmo tema - truques culinários -, mais um videozinho (sim, é um expediente cretino para uma pessoa que anda sem tempo para postar). Mas, afirmo, a dica é boa. Testei e tudo. O que não consegui foi sair do proceso com os dedos inteiros. 

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Descascando alho em 10 segundos

Eu não tentei (e nem sei se tentarei) repetir a proeza do moço do vídeo (em inglês, mas simples de entender). Mas o fato é que, sem muito esforço ele descascou uma cabeça de alho em menos de 10 segundos. Quem se habilita?

How to Peel a Head of Garlic in Less Than 10 Seconds from SAVEUR.com on Vimeo.

Via: Marketing na Cozinha

Natural


A rainha das donas de casa, Martha Stewart, também aderiu à onda do reaproveitamento e de um jeitinho que eu curti. 

Para quem tem ardim, ela sugere uma mesa de quase orgância, que pode ser feita com uma sobra de pedra (granito, mármore, ardósia) ou mesmo madeira velha, apoiada vasinhos de cerâmica usados. 

Fica bacana como apoio para plantas, superfície de trabalho para jardineiras e também "para descansar os pés".

Vou tentar fazer uma versão mini dessa mesa na minha sacada mini...

Foto: marthastewart.com

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Objetos de desejo que não desejo mais (2)


Quando o verde limão era tendência de decoração, ter um sofá dessa cor era meu sonho. Hoje fico pensando como combinaria um móvel tão grande com uma cor tão complexa. Grandes capas, por certo.

 
Mesmo com capas e almofadas, o da foto está à venda.

Com todo o respeito para quem curte verde-limão...

Aliás, esqueci de perguntar: vocês têm algum objeto de desejo que não desejam mais?. Algo que consideram inútil, feio ou que foi superado pelos avanços da tecnologia? Contem pra mim que eu vou fazer um post, tá. Mas contem aqui, não no Facebook, por favor! :)

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

É de passar no pão?


Olhei a geladeira hoje de manhã e me espantei com a quantidade de coisas que eu tinha para passar no pão. Não comprei todas. Mamãe foi passar uns dias lá em casa e deixou alguns itens. Mas como muitos eram feitos de leite, fiquei curiosa: qual a diferença na produção que os fazia diferentes uns dos outros? Fui pesquisar...

Queijo quark - É um queijo ácido, feito sem coalho, muito consumido na Europa, especialmente na Alemanha. O sabor se assemelha a um iougurte e, por ter baixas calorias, o produto é geralmente indicado por nutricionistas para pessoas em dieta. Eu, particularmente, amo queijo quark com geléia. Me processem!

Frescatino - É um queijo Minas Frescal cremoso. É feito com a massa do queijo fresco, creme de leite, estabilizantes e espessantes. A versão light é feita com leite semidesnatado. Não vejo nada demais nele. Tem gosto de borracha (é só a minha opinião).

Cream cheese - Queijo que se obtém da centrifugação da coalhada. Pode ser natural ou adicionado de sabores. Tem certa firmeza, mas é espalhável, com alto teor de creme de leite. Tem menos sal do que o requeijão, mas tem sabor mais intenso. É cada vez mais popular no Brasil. Porque é bom pra caramba! Experimenta com molho de mostarda e mel! faz qualquer sanduíche de mortadela parecer prato gourmet. (Eu compro na versão light pra consciência não ficar pesada).

Nata - É Deus na forma de gordura, extraída durante a pasteurização do leite. Pelo pouco que entendo, no sudeste, vendem numa consistência mais líquida, cremosa e chamam de creme de leite. Aqui, vendem em pasta. Chamamos de nata, de pecado e de amor (S2)! Come com chimia de uva, fia (gauchês translator: doce de uva, filha).

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Dormindo no céu


A primavera chegou, mas as manhãs e noites gaúchas continuam frias que só. Boas para comer coisas quentes e para dr aquela espichada na cama (e para levantar correndo desesperada, quando o despertador berrar pela 8ª vez!).
Fato é que, como boa dorminhoca, adoro roupas de cama e, para a casa nova, resolvi investir em lençóis de percal 300 que estavam em promoção no Shoptime. Coloquei na cama ontem e não conseguia acordar hoje, gente! O que é essa maciez? Algodão egípicio deve ser uma loucura mesmo!

Daí parei para ler (e dessa vez prestar atenção) no que significa percal e saber porque e tão macio. Daí estava lá que era um produto que tinha 150 ou 180 ou 200 ou mais fios em cada centímetro quadrado. Quanto maior a quantidade de fios por centímetro, mais fino e mais macio seria o percal. 

Descobri também que se vende o tecido por metro em lojas. Juro que não sabia! E que isso sai mais barato do que comprar os conjuntos caríssimos prontos. O de 240 fios custaria R$ 18 o metro, informou uma moça nas respotas do Yahoo. Considerando que tem 2.40m de largura, para fazer um lençol de casal para uma cama de tamanho normal, sairia cerca de R$ 36. Barato, né?
Vontade de aprender a costurar, viu?

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Objetos de desejo que não desejo mais

Tão trambolho quanto um aspirador de pó, dizem que quebrava vidro com seu vapor de não sei quantos mil graus. Hoje fazem produtos tão úteis quanto, só que bem menores. Alguém tem? É bom?


segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Malware, eu? Sou pobre, mas sou limpinha!

Quase caí de costas quando, nesse findi, fui tentar entrar no meu blog e veio um aviso vermelho (ou roxo. ou verde, sei lá), dizendo que meu próprio bloguinho querido não era confiável porque tinha usado o programa PQP que era malware e que se alguém baixasse ia pro mármore do inferno, que Nossa Senhora virava as costas e que ia ser uma bosta.

Me amoleceram as pernas. Mas o que eu fiz de errado?
Geralmente postava do trabalho (mas só no fim da jornada, tá chefe? Bem no finzinho), e agora posto em casa. Meu anti-vírus é bala. Não faço download de nada em casa. Mesmo, nem um filminho. Nada. Que malware, o quê?

Então. Atualizei o meu anti-virus (que não acusou nada) e botei a cabeça pra pensar (fui tomar um chope). Pois quando voltei, li noutro blog que eu não era a única. O Google tava maluco. Na verdade, ele estava acusando malware na maioria dos blogs que tem contador de visita ou blogroll.

Tchaná!
Saída? Retirar os gadgets.

E eu me dou por vencida?
Jamais!
Não vou tirar nada!

Não passarão! Não passarão!
(e podem me visitar que tá tudo limpo por aqui, tsá?)
Sou pobre mas sou limpinha.

Beijos

sábado, 24 de setembro de 2011

Operação miojo não: risoto






Até os adolescentes já sacaram que para pagar de sofisticado basta saber fazer risoto. Ele não precisa nem ficar bom, ele só precisa parecer bom.
Eu, no meu caso, prefiro que seja gostoso. Dane-se a aparência, como a do prato horrível da foto (eu já tinha dado uma garfada quando fiz a foto). O fato é que o risoto ficou bom. E impressionou a visita, como eu queria.

Fiz esse risotinho de frango na correria. Duas xícaras de arroz carnaroli (pode ser arbóreo também) rapidamente refogados na manteiga com uma cebola picada. O primeiro caldo foi uma taça de vinho branco - que faz toda a diferença. Na minha opinião, faz mais diferença até do que o caldo (natural ou industrializado). 

Como o frango já estava pronto, usei um tablete de caldo de galinha industrializado diluído em 1,5 litro de água fervente. E fui adicionando uma ou duas conchas de líquido por vez, mexendo até secar, acrescentando mais caldo e repetindo. Deu uns 20 minutos o arroz estava al dente, coloquei parmesão ralado, o frango picado e uma boa porção de manteiga para finalizar. Se usar caldo industrializado, não exagere no sal (que também pus no final), porque já é salgado, assim como o queijo.

De comer ajoelhado.

E você, o que serviria se, sei lá, o Papa aparecesse na sua casa de surpresa?

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Até que enfim, é primavera!

Eu acharia o inverno bacaníssimo se eu não tivesse de enfrentar temperaturas perto de zero para trabalhar ou mesmo ir ao supermercado. Se eu não tivesse de me encharcar com chuvas geladas ou aguentar a umidade em casa. 
Se eu pudesse ficar em casa só dormindo e comendo comidas gostosas, acho que sim, amaria o inverno. Mas ele não é assim, então, ainda bem que acabou.

Abram as janelas, deixe o calorzinho entrar que o sol vai brilhar, as flores estão se abrindo: a primavera chegou!


 Dá pra notar que é minha estação favorita?

E essas paisagens floridas me fazem lembrar de uma sobremesa colorida, delíciosa e saudável: salada de frutas. Faço com as frutas que tenho a mão, quatro no máximo e já está bom. 
Morango, maçã, manga, banana (indispensável), abacaxi. Para a calda, suco de laranja, de bergamota (tangerina) ou mesmo soda limonada ou guaraná. Na versão superluxo, leva uma bola de sorvete. Ai, quero agora!


Foto: Cozinha da Manu

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Vivas, ainda

Oi, amigos.

Desculpe o sumiço. Viajei repentinamente para curtir o fim das férias e fiquei totalmente offline - o que também é bom, já que é férias. Mas isso não significa que não pensei em vocês ou em postar. Tsk, tsk, tsk.
Preparei algumas coisinhas e prometo voltar à antiga regularidade das postagens, tá?

Para comemorar esse retorno, uma boa notícia. Adivinha quem não morreu? Após dois meses comigo, as-duas-plantas-que-dão-flor-mas-que-eu-não-sei-o-nome ainda estão vivas. Mas, a bem da verdade, não estão lá muuuito bem.

Antes das férias mudei as ditas para a sacada, porque achei que iam curtir o sol. Mas as flores morreram todas. Assim, decidi retirar tudo o que estava seco - pétalas e folhas também - para as plantinhas darem uma respirada. Falei com elas também (espero que minha voz não seja a causa da letalidade das minhas plantas). Achei, que, no fim, pode dar certo. Olha elas aí.


Será que um dia elas voltarão à velha forma?


Eu quero acreditar! Eu quero acreditar!

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Uma professora muito maluquinha

Eu sou muito apegada às minhas professoras. Me lembro da primeira (e sei onde trabalha, porque tempo e distância foram vaporizados pelo Google).


E, ontem, se foi uma das poucas mestras da minha faculdade de quem me lembrava com um sorriso: Eunice Olmedo. Louca, dramática, intensa, engraçada. Nos enfeitiçava com sua voz e com sua movimentação em frente à classe, com suas gargalhadas e com seu jeito peculiar de, de uma hora pra outra, parar tudo e perguntar:
- Qual é o teu signo?


Eunice nunca confiou muito em escorpianos, como eu, mas sempre me tratou com carinho, dizia para eu ser boa com as pessoas, paciente. Na última vez que nos encontramos, há duas semanas, contei que tinha comprado um apartamento e ela comemorou a conquista como se eu fosse filha dela.


Sabiamente, disse que eu tinha de ter cuidado com as amizades interesseiras a partir de agora - porque os invejosos não distinguem uma pessoa rica de uma pessoa pagando prestação por 25 anos - e tratar da vida, de me divertir, porque o mais certo, eu já havia feito.


Foi-se aquela gargalhada, foram-se aqueles uuuusss e aaasss (entre outros ruídos estranhos que ela fazia para manifestar opinião), foi-se o grito "coió" (para o aluno besta - todos nós). Foi-se ela, a nossa estrela, que se pôs levando lágrimas e saudade.



Protesto

Eu odeio a construtora-que-não-deve-ser-nomeada de uma forma, que nem sei contar.
Só contando o nome da contrutora. A responsabilidade jurídica me proíbe.


Fizeram uma cagada na parte elétrica do meu apartamento que só não queimou tudo porque há um Deus no Céu que me protege - sob esse monte de alvenaria estrutural. 


Vontade de gritar!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Amo maionese

Se por algum motivo, fosse condenada a morte e tivesse direito a uma última refeição, não teria dúvidas: salada de maionese com batatas. Meu prato favorito desde criança, com qualquer acompanhamento. Churrasco, arroz branco, macarrão ou mesmo sem acompanhamento nenhum.


Ontem à noite, numa sanha por peixe e frutos do mar, fiz um pequeno banquete para um: merluza no pappiotte, salada de maionese e bacalhau e paella.


Pra vocês não acharem que sou rica - e vocês bem sabem que não sou - vou explicar. Comprei aqueles kit paella no super, meu bem. Custou R$ 7, se não me falha a memória. O bacalhau, comprei um potinho com retalhos, bem bons para desfiar. Usei só alguns e vai dar para usar outras vezes. A merluza veio em medalhões (sou meio jeca e nunca tinha visto nesse formato, só em filés. Umas 10 unidades por R$ 13.Vai durar muito aqui em casa).


Mas não era de grana que eu queria falar, mas da maionese. Já li em outros sites outros modos de preparo da dita cuja, em que não se usa gema cozida. Não conhecia. O modo que aprendi com minha vó e com minha mãe usa gemas cozidas e cruas e óóóóleo, muito óóóóóleo.


Tem gente que mistura no prato, tem gente que mistura na xícara (sempre com o auxílio de um garfo, porque fouet é novidade na cozinha dessas bandas) e bota força no braço porque o creme fica grosso.


Ontem, eu usei duas gemas cozidas e uma crua. Esmaguei bem as primeiras e joguei a crua por cima para fazer uma espécie de pastinha. Olha como fica:




Em seguida, comecei a adicionar óleo de canola, aos poucos (pode ser qualquer óleo, mas uso esse, que é mais saudável). Faço de olho, mas a quantidade de óleo depende da quantidade de batatas e do seu gosto - maionese mais sequinha ou mais cremosa. Eu tinha quatro batatas médias e queria mais sequinha: uma xícara, mais ou menos, e um pouco de azeite de oliva. Não esqueça de temperar com um pouquinho de sal.




Júlia Child garantia que um dos segredos para a maionese não desandar era aquecer o prato.


E você, como faz maionese?


P.S.: A receita de peixe em pappiotte, fiz de acordo com as instruções da @ritadopanelinha:

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Adaptação

Oi, amigas (os)!

Estou com uma Internet por rádio, bem menos interessante do que prometia (até porque não pega bem em todos os cômodos da cassa, infelizmente), mas, enfim, conectada, e me divertindo em modo férias.
Não esqueci de vocês e prometo que, neste feriado, vou visitar todos os blogs e fazer um post decente.

Beijos mil e bom feriado,
Tati

(super estranhando o novo blogger)

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Férias

Estou entrando em férias hoje (obrigada, Senhor!).
Vou aproveitar para organizar a bagunça que escondi a casa e me planejar para receber os amigos. Porém, como ainda estou sem Internet em casa, pode ser que fique fora do ar nos próximos dias.
Mas lá pela segunda-feira eu já devo estar conectada, certo?

Beijocas!

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Fiat lux

E a luz se fez! Ontem, depois de muito entra-e-sai de técnicos enviados pela AES Sul, finalmente, ao chegar em casa à noite, eu já era a feliz próprietária de um relógio contador de energia. Adeus, banho frio. Adeus casa gelada. Olá conexão com a Internet, chuveiro turbo e ar-condicionado!

A ligação da luz não poderia ter vindo em momento mais adequado, porque resolveu fazer frio de novo e acho que, hoje, até geou. Mas, dormi quentinha dessa vez.

Só tenho de me cuidar porque, né? Deus fez a luz o Diabo fez a conta de luz e meu salário já está bem comprometido.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

La Grande Maison, a Le Creuset tupiniquim



Como já disse algumas vezes, frequento vários sites de gastronomia. Em boa parte deles, ela está lá: linda, fina, a cara da riqueza. É a panela Le Creuset, que eu vi de perto uma vez, num shopping. Cheguei perto para ver a etiqueta do preço e tive um ataque de riso. Quase 600 pila por uma panela? Diz que algumas caçarolas chegam a R$ 1 mil...


Desde então, fiquei com uma dúvida - que, na verdade, não tive pressa nenhuma de sanar. Porque raios essa panela é tão cara? Aí li que conserva o sabor dos alimentos, é mais econômica durante o cozimento porque espalha o calor por igual - e nada me convenceu de que precisa ser tão cara. Evidentemente, que por ser produto importado, é sempre mais caro, por causa dos impostos mas, na verdade, eu gosto dela porque é bonita. Isso é sacrilégio?

Bem, enfim. O fato é que descobri tarde que existe uma empresa brasileira produzindo panelas ao estilo Le Creuset no Brasil. As panelas La Grande Maison são feitas com matéria prima do produto francesa, do mesmo fornecedor da famosona, mas sai da fábrica até 40% mais barata. Então se eu alguém tiver um ataque de consumismo, posso (posso?) pagar R$ 300 por uma caçarola de 24cm e não R$ 900.

Agora, o dia que eu fizer isso, o gerente do banco vai querer me interditar. Mas, quer saber, eu quero!

Saiba mais sobre a panela aqui.




terça-feira, 30 de agosto de 2011

Praticamente uma chef


Eu sou uma entusiasta da gastronomia. Estudo, adoro mesmo. Mas tenho mais prática em comer do que fazer pratos - especialmente os mais elaborados ou "metidos a besta".
Porém, com todo o aparato que montei na minha minicozinha, me senti obrigada a ousar um pouquinho e fazer umas coisinhas diferentes.
Para balizar a experiência, conto com o livro Panelinha, Receitas que Funcionam, inspirado no site do mesmo nome, da Rita Lobo.
Para que não houvesse traumas, no domingo à noite, quando voltei do trabalho, decidi fazer dois pratinhos simples à base de ovo: pochê e ouefs en cocotte (que a Rita chama de cocotinhas).

Fiz dois ovos pochê e foi um sucesso. Ficaram lindos (não tirei foto porque estava com fome), a textura é maravilhosa e, se bobear, não vou fazer ovo frito tão cedo.
Já as cocottes... Fiz duas - de palmito, presunto e champignons -, no forno, em banho-maria (dá pra fazer no micro). A primeira, que comi quente, ficou aguada. Acho que foi porque coloquei nata, além do creme de leite de caixinha. Acho que não deveria ter posto nata... Não fiz foto porque ficou horrível.
O ovo não cozinhou direito. Ficou nojento e eu dei pro gato.

O segundo nem cheguei perto. Fui comer ontem de manhã, frio. Sabe que ficou bom? Parecia um pudinzinho. Ainda assim, dividi com o gato porque minhas memórias da noite anterior me sugeriam salmonela e botulismo.

Então, foi 50% de sucesso e acho melhor seguir nas receitas simples até pegar o jeito.

Como foram seus primeiros passos na cozinha. Já fizeram muita meleca?
Não me deixem só!

Aqui, mais gente que fez comida pro gato.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

A maldição da luz

Às vezes eu acho que meu condomínio é vítima de uma espécie de praga de madrinha. Porque, gente, tem coisas que só acontecem lá.

A última diz respeito à famigerada luz. Cês sabem que a construtora-que-não-deve-ser-nomeada entregou as chaves dos apês mesmo eles estando sem luz, por erro dela mesma, né? Pois é. Precisavam trocar o transformador da rua para poder abastecer os 60 novos apartamentos.

Então, a troca de transformador rolou na quinta. A construtora tinha dito, inicialmente, que era para pedir a ligação para a AES Sul na segunda-feira. Porém, voltaram atrás e disseram que poderia ser na sexta mesmo. Fiquei feliz da vida! Pô, banho quente, finalmente!

Porém, quando liguei pro 0800, a atendente disse que no meu enderaço havia dois blocos e não 3. Adivinha qual o prédio que não existe??? Sim, o meu.
- A senhora tem certeza que é o apartamento 101?
- Moça, eu moro lá. É 101.

Liguei para a construtora e eles me orientaram a ligar novamente mais tarde. Eu fiz
- A senhora tem certeza que o número 374?
- Sim, 374/101.
- Pra nós não existe.

Enfim, todos os moradores do bloco 2 já pediram luz. O do 3 também.
Minha casa e as dos meus vizinhos não existe.

Mas o pior não é isso.
No sábado, falei com uns vizinhos e eles me disseram que um funcionário da AES Sul tinha ido lá vistoriar o gerador e avaliado que era muito pequeno para 60 apartamentos. Que daria para, no máximo, 20.
Se tiver de trocar o aparelho, vai demorar uns dois meses para termos luz oficial. Bonito, né?

Vai dizer que esse condomínio não tá amaldiçoado?

UPDATE: Consegui pedir a ligação hoje. Parece que, agora, o bloco que não existe é o 3. Dá pra aguentar?

sábado, 27 de agosto de 2011

Assalto?!

Ontem eu percebi que, finalmente, que contratar um marceneiro não é uma opção para mim.
Meses atrás, tentei encomendar os móveis da minha cozinha (que como vocês viram nas fotos, é minuscula - a pia tem 1m05cm, quando a média é 1m20cm) e morri de susto. O orçamento mais barato ficava em R$ 3,5 mil. 

Gente, que é isso? Comprei pela metade do preço em um aloja de modulados e me dei por satisfeita.

Porém, agora estou sentindo necessidade de colocar uma bancada na cozinha e uma prateleira. As duas simples, retas, brancas, de BP. Então, chamei um profissional recomendado por uma vizinha para orçar. Demorou três dias e ele veio com a facada: R$ 650. 

Pa-ra-tu-do!!! É um terço do preço da minha cozinha por algo que, tecnicamente, são duas pranchas de madeira pintadas. Não pago nem a pau!

Tô exagerando?

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Esqueci de contar

Uma lista de histórias que comecei a contar e não terminei. Eis o fim:

- Na segunda, instalaram os condicionadores de ar aqui em casa. Ficou tudo imundo e eu, sem água, tive de fazer faxina buscando água no quiosque da churrasqueira



- Terça-feira liguei para a construtora-que-não-deve-ser-nomeada contando que não tinha água. Incentivei um outro morador a fazer o mesmo. No outro dia, o abastecimento foi reestabelecido. Um técnico descobriu que a bóia elétrica (ou coisa assim) estragou. Ainda bem. Não precisei lavar roupa no quiosque

- Ontem, um técnico foi lá em casa ver o pé do fogão. Más notícias: o fogão está amassado perto do pé (juro que não fui eu) e por isso dá problema. Eu vi que um lado estava abaulado, mas achei que era daquele jeito mesmo. Alternativas: trocar as chapas inox das laterais do fogão ou trocá-lo. 



- O pessoal da assistência técnica, que ia instalar o depurador, não apareceu. Ainda bem, só à tarde descobri que eles cobram 80 contos pela instalação. Mas nem morta eu pago isso. Chamei meu montador que vai fazer bem feito pela metade do preço (mas só no sábado). Paciência


- Também ontem, uma empresa foi trocar o transformador da rua para, finalmente, podermos instalar nossa luz. Parece que, na segunda-feira, poderemos pedir ligação. Mal posso esperar. Com todo esse frio e umidade, não liguei o ar-condicionado por causa da falta de potência da luz auxiliar. Depois da experiência dos fusíveis queimados pelo chuveiro, melhor não arriscar...





quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Dedo de Moça, meu novo xodó

Visito sites de culinária diariamente, há meses. Essa coisa de sonhar com a casa, de fazer comidinhas gostosas me levou a isso, mas também porque há algo na gastronomia que gosot mais do que tudo: os truques e segredos.
Essa introduçãozinha é só para dizer que estou amando o blog Dedo de Moça. Além de receitas ótimas, lá há dicas como essas:

Como cozinhar macarrão
Coloque muita água e sal. Não coloque óleo ou azeite, pois o molho não vai aderir tão bem à massa.

Como untar forma para o bolo nunca grudar
Unte até o topo da forma com margarina, manteiga ou óleo. Depois polvilhe com farinha ou açúcar (ou até uma mistura de açúcar e canela para dar um rostinho especial). Depois vire a forma para eliminar o excesso.

Como deixar o purê mais lisinho
Ao invés de amassar, podemos bater o purê no liquidificador ou processador, ainda quente, junto com o leite ou creme morno, manteiga, temperos, etc.)

Como grelhar peito de frango para que sempre fique molhadinho
Com a frigideira super quente, coloque um fio de azeite e os filés. O importante é manter a temperatura da panela sempre quente, para evitar que o frango solte água! Nunca encha a panela, pois isso diminui a temperatura da frigideira. Vá dourando o frango aos poucos! Não fique virando o peito de frango: coloque de um lado e vire somente quando estiver bem dobradinho. Não fique apertando e furando o filé, isso causa perda de água e frango duro! Se o peito for gordinho, termine de cozinhar no forno bem quente.

Como fazer iogurte caseiro
Coloque 1 litro de leite em um recipiente. Adicione 1 pote de iogurte natural e misture. Tampe e mantenha em temperatura morna por pelo menos 6 horas.  No final, todo o leite irá ter virado iogurte!

Como manter o milho cozido amarelinho e macio
Acrescente uma colher de sopa de suco de limão na água do milho, depois de pronto. Não coloque sal na água de cozimento pois o milho endurece.

Se arrependimento matasse...

Se arrependimento matasse, a essas horas eu estaria comendo capim pela raiz.
E a culpa seria minha.

Pois na terça à noite eu resolvi abrir a caixa do fogão sozinha. O plano era colocar os pés do fogão, tirar o plástico, encomendar o gás e fazer uma comida decente para estrear o eletrodoméstico. Calculei que seria difícil. Mas calculei errado.

O fogão era pesadinho, mas consegui colocar os pés traseiros rapidinho. Os dianteiros é que foram um problema. Os pés diziam "direita" e "esquerda", para orientar a instalação. Ocorre que o da direita deveria ser posto no pé esquerdo e vice-versa. Até que eu descobrisse isso, já tinha terminado a novela das 8, o Entre Tapas e Beijos e começado O Astro (medida de tempo pela programação da TV é tão infantil, mas eu gosto). Fiquei toda suada. E olha que a temperatura estava uns 6°C.

Ai foi a hora de instalar a mangueira e o registro do gás. Foi rápido. O problema foi passar a mangueira do gás pelo buraco da parede. Não passava. Tive de lixar o furo com uma faca. Além de suada, fiquei suja.

Pra terminar, fiquei brava. Percebi que o fogão estava bamba. Uma pé traseiro não alcançava o chão e se desrosqueasse, caía. Calcei com papelão. Foi quando me lembrei que eu deveria ter tirado aquele plástico nojento do fogão. Dei um tapa na minha própria cara e fiz o que tinha que fazer, mas foi bem difícil porque não queria desprender o gás.

E o que aconteceu? Ontem de manhã, tive de chamar o técnico do serviço autorizado para ver o pé - e ele poderia ter feito tudo isso por mim hoje. Sério. Tem dias que eu me odeio.


Abaixo, uma pequena galeria de fotos para vocês (e um dia, eu também) rirem de mim.




 Minha coluna e meus braços vão doer por semanas



Atentem para o detalhe da pia (não a bagunça, a garrafa de vinho). 
Bebi porque mereci. E tenho dito :)

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Minha primeira vez... com o grill


Nunca esqueço de uma frase dita por uma colega da 5ª série: "Quando uma coisa é moda, a Tati nunca usa". Era verdade, mas não era por falta de vontade, mas por falta de grana mesmo. 

Curiosamente, eu sigo demorando para atender às tendências. Me dei conta disso segunda-feira à noite, quando fui usar o grill pela primeira vez. São aquelas grelhas redondas que o Shoptime vende ad nauseam. Eu queria um há anos, mas comprei como "enxoval de casa nova". A essas alturas, quase todo mundo que é fissurado em coisas de casa já usou ou tem uma opinião sobre o produto. 

Mas como o centro do meu mundo é o meu próprio umbigo, vou dar minha opinião tardia: gostei! 
Fiz filés de frango grelhados e eles ficaram prontos rapidíssimo (à exceção de um, que estava muito grosso, não cozinhou por dentro e foi a coisa mais próxima de sushi de frango que já comi). Grelhei junto cebolas e uma abobrinha cortada ao comprido.

Aí vem o problema. Acho que por precisarem de temperaturas diferentes e por cozinharem melhor com a tampa, nem todas as abobrinhas ficaram boas. Outro erro: a marinada do frango tinha cebola, e inventei de colocá-la em cima dos filés. Quando aquelas cebolas começaram a torrar, determinaram o fim de todo o cozimento por que a casa estava fedendo (abrir as janelas durante o uso teria sido inteligente)

Comi os filés delícia com os legumes e com um arroz de micro-ondas que ficou uó! Odeio comida de micro-ondas. Odeio!

Bem. Eis minha opinião, tardia e deslocada da moda.
Beijos



terça-feira, 23 de agosto de 2011

Eu amo o Sílvio Santos

Esse post não tem nada a ver com casa nova, culinária etc. Tem a ver com experiência de vida e sabedoria. Sílvio Santos, 80 anos, falou aos seus funcionários nas comemorações dos 30 anos do SBT. No vídeo, disse algumas coisas tão certas que até anotei pra não esquecer.




"Só não consegue o objetivo quem sonha demasiado, quem pretende dar um passo maior que a perna. Todas as coisas são difícieis. Todas as coisas tem de ser lutadas."

"Eu sempre achei que a melhor maneira de se viver é se viver como um cidadão de classe média. Tudo aquilo que passa de alguém que possa ter o suficiente para viver como um cidadão de classe média, na minha opinião, amalucada, como eu já disse, é troféu."

Sílvio Santos 

Sorteio

Oi, gente!

Se você é como eu e adora participar de uma promoção ou sorteio, tenho uma dica: o blog Casinha de Retalhos está sorteando duas almofadas fofíssimas. A promoção sai em parceria com o blog Mundinho de Mirita.
Se você não é como eu, e não gosta de promoção nem de sorteio, pelo menos dê uma passadinha nesses blogs, que são bacaníssimas.

Beijos


Agora sem água

Minha ligação de luz provisória era a única coisa que me fazia sentir morando num acampamento. Não é mais. 
Desde sábado, não tenho água em casa. Ainda vou me informar, mas creio que estava usando o resto que havia na caixa d'água e que, agora, acabou. 

Banho, lavagem de louça e limpeza da casa estão rolando na base do balde, que eu encho no quiosque da churrasqueira. Volto com o balde na cabeça, cantando músicas da Elza Soares (tá, mentira).

Me orientaram a ligar para a construtora-que-não-deve-ser-nomeada. Mas eles vão querer me dar água grátis? I don't think so. Então é assim: luz na gambiarra e nada de água.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

E não é que existe brigadeiro de micro-ondas?

A coitada da minha irmã foi a parente selecionada para o plantão-da-chegada-do-fogão desta segunda-feira. Se o bicho não chegar hoje, amanhã, minha mãe será escalada (ela não sabe disso ainda).

Enquanto a espera segue, pelo menos, um consolo: existe brigadeiro de micro-ondas, como conta a minha amiga Juliana Gelatti.

Como assim, Tati, que tu não conhece brigadeiro de microondas??
Mesmos ingredientes, dispensa a manteiga, põe num refratário bem alto e vai ligando de 1min em 1min. A cada vez que parar, mistura bem. Acho que num total de 6min fica no ponto pra comer de colher!
Boa espera! =)

Obrigada, Ju!

P.S.: O fogão chegou! Faça a sua festa, torcedor brasileiro!

domingo, 21 de agosto de 2011

Coisa para fazer não falta

Apesar de eu ter me livrado das grande maioria das caixas da mudança e de ter colocado a maioria das coisas em seus devidos lugares, ainda tenho muito o que fazer. Detalhezinhos, coisas que escondi debaixo do tapete, que deixei para depois.

1) Lavar a louça, copos e panelas novas, que guardei no armário, direto
2) Terminar a organização dos documentos
3) Pedir para o pessoal da serralheria fazer o acabamento da pintura das grades
4) Encomendar grades para os quartos
5) Contratar a empresa que vai instalar o ar-condicionado
6) Mandar cortar os tubos da cortina, que são muito longos
7) Comprar tinta para retocar as paredes que foram "feridas" durante as instalações
8) Pendurar quadros
9) Ter um siricotico

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Esperando o fogão


Fico pensando como vou controlar a ansiedade quando engravidar. Comendo, é claro.
O caso é que sou meio impaciente, imediatista, quero tudo pra ontem. Nove meses de espera é muito tempo.

Estou quase maluca esperando a chegada do meu fogão, que encomendei no dia 1º de agosto, na Internet. Comprei pelo preço, evidentemente. Uns R$ 300 mais barato que nas lojas da cidade. E como costumo comprar livros e DVDs pela rede, achei que chegaria rapidinho. Mas, até agora, nada. E não vejo a hora de mexer uma panela.
O prazo estimado de entrega é dia 22. Se chegar até lá, tudo bem.
E se não chegar? Existe brigadeiro de micro-ondas?


quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Assassina de plantas

Eu não escondi. Está na minha biografia do blog: sou uma assassina de plantas.
Não é de propósito. Mas, o fato, é que vegetais vivos correm sérios riscos comigo.

Tantas violetas e gérberas pereceram nessas minhas mãozinhas que, há muitos anos, decidi manter comigo apenas três Espadas de São Jorge que ganhei na minha formatura, há uns 14 anos. Espada de São Jorge, como se sabe, não morre.

E minha inabilidade é tanta que mantive apenas três espadas por quase uma década por pura ignorância. Eu as mantive em água, por preguiça de por num vaso com terra. Quando, anos atrás, uma amiga plantou as ditas cujas adequadamente, elas viraram uma touceira. Preciso reenvasar, mas, cadê coragem?

 As espadas e a orquídea

Agora, com esse lance de casa nova, resolvi comprar outras plantas. Uma orquídea que só adquiri porque o jardineiro disse que era muito rústica. Se aguenta ventania, deve ser resistente a mim, pensei. 
Também comprei uma outra, comunzinha e pendente, de uma espécie que não lembro o nome, mas que já tive - e que demorei a matar, no passado. 

 Difícil de matar

Por fim, comprei dois vasos de flores, que não me lembro o nome, mas que já estão morrendo.

 Coitadas

Estou tentando evitar a catástrofe. Achei que elas murcharam por falta de luz, então, coloquei na frente da janela da sacada. Fiquei com medo de colocar na sacada porque tem ventado muito. Não sei mais o que fazer.
Triste sina, viu?